Austrália: Trabalhando como babá

trabalhando como babá

No meu último post, contei que um dos meus trabalhos aqui na Austrália, é como babá. Logo que cheguei aqui, o casal que nos acolheu, já me indicou uma família australiana que estava precisando de alguém que cuidasse dos dois filhos. Foi assim que arranjei meu primeiro emprego aqui e comecei trabalhando como babá.

No meu quarto dia de Austrália, apresentei-me para a família australiana, que fez uma breve entrevista comigo e o casal resolveu me contratar. Ter o carro foi um requisito bastante importante. Afinal, se algo acontecesse com as crianças, eu teria um meio de transporte. Mas, graças a Deus, deu tudo certo.

Havia trocado poucas fraldas na vida, minha experiência era terrível. Lembro que na primeira vez que fui dar mamadeira ao bebê de apenas dez meses, ele engasgou. Logo, tive o instinto de me levantar e deixá-lo em pé. Ufa, ele não morreu, foi o que eu pensei. Aos poucos fui pegando o jeito.

Sempre gostei muito de bebês, já que eles não incomodam. E o menininho se apaixonou por mim. Toda vez que eu chegava na casa, ele fazia a maior festa. Ao contrário da irmãzinha dele, de dois anos. Sentia que ela gostava de mim, mas ela era arisca. Via que ela queria chamar minha atenção, mas ao mesmo tempo não me dava à mínima. Foi difícil conquistar a menininha que só comia arroz e morango.

trabalhando como babá

Trabalhei lá por dois meses e meio, o tempo que o marido se ausentou para resolver negócios em Londres. Mas, até hoje a mãe das crianças me manda mensagens perguntando como estou e nos encontramos em um restaurante esses dias. Tive muita sorte com essa família.

Minha segunda experiência em trabalhando como babá foi com uma espanhola de quatro anos. O que foi muito bom para treinar e aprender o espanhol. Na verdade o catalão. A menina era doce e meiga. Mas, exigia muita atenção. Estava sempre cansada da rotina. De manhã escola, a tarde ficava um pouco com os pais e depois eu chegava para eles irem trabalhar. A mãe chegava antes, sempre entre dez e onze da noite. E perto desse horário, a criança já estava muito cansada e começava a chorar por qualquer coisa. Trabalhei lá mais de quatro meses e larguei o emprego quando minha mãe e irmão vieram para cá.

A amizade com a família também continua. Eles pediram para voltar, mas eu arranjei outro emprego que paga melhor e os horários não batem.

Minha terceira experiência está sendo com essa família que postei o vídeo. Arrumei o emprego na mesma época de quando comecei a trabalhar com a espanhola. Mas, a família não precisa sempre. E isso é bom porque posso me organizar e curtir a vida também. São duas crianças, o menino de seis anos e a menina de dois anos.

As crianças são extremamente educadas e inteligentes. Eles gostam de brincar de jogos de tabuleiros, o que me proporciona aprender o inglês de uma maneira divertida. Eles sempre corrigem minha pronuncia.

Trabalhando como babá é aprender com as crianças, que são seres sem maldade e de puro amor no coração. É ser inspiração para as crianças. É saber dosar regras com diversão. É receber aquele sorriso de orelha a orelha pela admiração. É trabalhar brincando. É receber os elogios mais autênticos e verdadeiros. É doar e receber amor.

trabalhando como babá

Por isso, estou amando essa experiência. O trabalho não é cansativo e geralmente é a noite, o que garante a diversão diária.

*Não coloquei fotos das crianças para preservá-las e também não pedi autorização dos pais. I’m so sorry.

**Fotos com minhas primas e meu afilhado <3

Austrália: Trabalhando como babá

Precisa alugar um carro? Pesquise o melhor preço na RentalCars.

O Blog Eh Noix No Mundo é parceiro do AirbnbClique aqui para ganhar um bônus de 85 reais na sua próxima hospedagem.

Ainda não tem cadastro? Está esperando o que para se cadastrar? Não perca esse super desconto.

Também somos parceiras do BookingClique aqui e confira as ofertas.

Siga-nos no FacebookG+Instagram Twitter.

Austrália: Trabalhando como babá
Rate this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *